O Profeta da Misericórdia Site

Liga do Mundo Islâmico - Organização Mundial para Apresentar e Apoiar o Mensageiro de Deus

mohammad

Se dermos uma rلpida olhada na histَria do Ocidente a respeito

dos deficientes iremos ver a Europa Antiga, como Roma e Esparta,

737 Narrado por Abu Daoud, nº 1309.

tratando-os com espalhafatosa negligência e abandono. Estes povos

deixavam os portadores de deficiência fيsica ao abandono, promoviam

a matança de bebês deficientes logo depois do nascimento ou os

deixavam no deserto como alimento das feras e das aves.

As falsas crenças e as superstiçُes eram a causa principal dessa

degeneraçمo. Acreditava-se que as pessoas que sofriam de

deficiências mentais sمo pessoas tomadas pelos demônios e os maus

espيritos. Mesmo os filَsofos e os intelectuais ocidentais tinham

essas superstiçُes. As leis de Lycurgus, em Esparta e de Solon em

Atenas permitiam se livrar de quem tinha deficiência e era incapaz de

trabalhar e se envolver na guerra.

E o famoso filَsofo Platمo declarou que os portadores de necessidades

especiais pertenciam a uma categoria maldosa constituindo em carga

para a sociedade e um prejuيzo para o pensamento da Repْblica.

Quanto a Herbert Spencer, ele exigiu que a sociedade proibisse todo

tipo de ajuda aos deficientes, alegando que essa categoria era um

peso inْtil para a sociedade carregar.

Enquanto isso, os لrabes pré-islâmicos apesar de costumarem

matar suas meninas por temerem a vergonha, eram de coraçُes

menos duros e mais compassivos pelos afligidos por adversidades e

cronicamente doentes. Porém, evitavam compartilhar uma mesa ou

sentar juntos numa refeiçمo com os deficientes.

Quando o mundo se debatia entre as teorias que exigiam a execuçمo

dos deficientes mentais e outras teorias que pediam o seu emprego

na produçمo de remédios, o Oriente e o Ocidente orientaram-se para

a “ideia” de cuidarem dos deficientes. Nesse caso, vemos como era

o auxيlio do nosso mestre e educador, o nosso Mensageiro (Deus o

abençoe e lhe dê paz) aos portadores de deficiência fيsica, que era

mais uma pequena parte da sua ampla misericَrdia para com os

seres humanos em geral.